História Geral

O Regime, assim denominado este sistema maçônico, nasce em França na segunda metade do sec. XVIII.
 
O Rito é ecumênico. Nos três primeiros graus, como é óbvio, admite nas suas Oficinas Irmãos visitantes de outros Ritos, sejam eles Cristãos, Judeus ou Muçulmanos. Nos graus IV, V e VI somente se admite como visitantes Irmãos da Ordem do Templo e Malta. Nos trabalhos está presente o Evangelho segundo São João (incluindo nas Lojas Escocesas de Santo André), aberto no primeiro Capítulo. O Rito é fundamentalmente Joanita. Está ligado à mensagem de Amor e Tolerância do Novo Testamento sem detrimento da Justiça vinculada pelo Antigo Testamento. Está ligado à "Tradição Templária" em termos de Herança Espiritual e próximo da "Gnose".
 
É provavelmente o Rito mais próximo da Maçonaria Operativa de origem Medieval, ou seja da Maçonaria anterior a 24 de Junho de 1717. 
 
Em Loja Simbólica os obreiros, além de avental e luvas, usam todos, uma espada e um chapéu triangular embora só a partir do grau de Mestre se possam cobrir. 
O Regime é resultante dos trabalhos de vários Maçons ilustres em que se deve destacar Jean Baptiste Willermoz,
 
Face a uma dispersiva disparidade de Ritos e Sistemas maçônicos existentes no século XVIII e à preponderância que a Ordem da Estrita Observância Templária  alemã começava a ter no mundo maçônico, intrigado, fascinado e depois um pouco séptico pelo sistema maçônico dos "Eleitos Cohen" de Martinez de Pasqually, Willermoz parte para a criação de um Rito que reflete essas três tendências:
 
- A Maçonaria existente em França na sua vertente mais significativa (Escocismo) 
- As doutrinas cabalístico/ocultistas do teosofismo martinezista do sistema de Martinez de Pasqually.
 - O Sistema da Estrita Observância Templária (1754) do Karl Gotthelf von Hund von Altengrotkau, barão do Império alemã, senhor de Leipzig e de Colônia, sistema alemão em que a vertente cavalheiresca se sobrepunha à maçônica já que se reclamava de não só herdeira mas restauradora da Ordem do Templo extinta em 1312.
 
Willermoz, muito inteligentemente, retira as pretensões Templárias, no sentido de restauração político material e temporal da Ordem, e reclama-se de uma herança espiritual apenas. Acalma assim as Monarquias existentes e a Igreja de Roma. 
Mantém o conteúdo esotérico do sistema de Pasqually mas avança para um ecumenismo não impregnado da teosofia martinezista onde por um lado introduz as teses de Martinez sobre a origem primeira do Homem, a sua condição atual e destino final no Universo, mas sem entrar em choque com a mensagem inicial da Tradição Cristã primitiva divulgada através dos primeiros Padres da Igreja.
 
Não divorcia da prática maçônica praticada em França ou seja do Escocismo e dos vários graus que sintetizados mais tarde irão em 1786/87 vir a constituir o Rito Francês.
 
Resultado dos vários Conventos que se sucedem a Ordem acaba por ser finalmente estabelecida em 1782, em Wilhelmsbad (Alemanha), como dos Cavaleiros Benfeitores da Cidade Santa (C.B.C.S.), Ordem Templária Retificada, embora Willermoz continue a trabalhar nos diversos rituais até 1809.
 
Nossa Ordem dos Cavaleiros Benfeitores da Cidade Santa (C.B.C.S.), Ordem Templária Retificada tem como meta:
 
a) O aperfeiçoamento do indivíduo pela prática das virtudes com o fim de aprender a vencer as paixões, corrigir os defeitos e progredir na via da realização espiritual;
b) A total dedicação à Pátria e ao serviço ao próximo;
 
c) A prática constante de uma beneficência ativa e esclarecida a todos os homens, sem importar qual seja a sua raça, nacionalidade, situação, religião e suas opiniões políticas ou filosóficas.
 
Assim o Regime propõe a realização espiritual como finalidade a cada um de seus membros, facilitando-lhe os meios para conseguir-lo, e em convertê-los em homens verdadeiros, templos de Deus.
 
Está composto por quatro graus que estão fundamentados na reconstrução interior do homem pelo aprofundamento da fé e da prática assídua das virtudes:
 
4º grau: Mestre Escocês de Santo André. Este grau faz referência à tradição divina do Templo de Salomão e a presença permanente da Santa Shekinah. Também se deduz que enquanto o primeiro Templo foi destruído, dentro das ruínas permanecia o sagrado conhecimento do Deus de Israel. Também indica a chegada da Nova Jerusalém, a mística Sión.
 
Ordem Interna, porta da entrada a Cavalaria:
 
5º grau Escudeiro Noviço. Se requer que sua doutrina tradicionalmente se transmita de forma oral, culminando nos Cavaleiros Templários, que se supõe foram os últimos custódios deste conhecimento divino.
 
6º grau Cavaleiro Benfeitor da Cidade Santa (C.B.C.S.). Explica-se que a Cavalaria da Cidade Santa se manifestou em bons trabalhos que são o caminho perfeito a Deus e pela difusão dos mesmos, assegurando a grande bondade à família humana e a última conquista do verdadeiro esclarecimento.
Os três primeiros graus, Lojas de São João, estão submetidos a autoridade e jurisdição da Potencia Simbólica Regular e reconhecida do Pais. No nosso caso, o Grande Oriente do Brasil.
 
Uma vez que o Mestre Escocês de Santo André dá mostras de ter alcançado o grau de realização espiritual, quando prova que efetivamente levou a cabo sua iniciação maçônica, é onde pode ter acesso à Ordem Interior.
 
A Ordem Interior é uma Ordem de cavalaria de nenhum modo assimilável, nem a um Sistema de altos graus, nem aos graus filosóficos. Comporta duas etapas:
 
Uma primeira etapa preparatória e transitória que é a de Escudeiro Noviço. A qualidade de Escudeiro Noviço se confere pela cerimônia de investidura. Esta qualidade é revogável. O Escudeiro Noviço tem como única tarefa preparar-se, durante o prazo de pelo menos um ano, para converter-se em Cavaleiro; mas se durante este período de tempo não mostra a preparação requerida, pode e inclusive deve, segundo o disposto no Código dos C.B.C.S., ser retrocedido a sua condição de Mestre Escocês de Santo André.
A segunda etapa é a de Cavaleiro Benfeitor da Cidade Santa (C.B.C.S.). Esta etapa não é um grau, senão uma qualidade que se confere na cerimônia de armamento. Esta cerimônia se celebra somente na presença do Grão Prior/Grão Mestre Nacional, pois somente ele pode armar cavaleiro no País.
O Cavaleiro tem o dever de obrar ativamente na Ordem e no mundo, para por em prática os ensinamentos morais, religiosos e doutrinais recebidos nas Lojas de São João e de Santo André. Lojas que não abandona e onde deve agora mais do que nunca, dedicar-se ao serviço de seus Irmãos e ao de todos os homens, particularmente, o exercício da beneficência.
 
Por sua filiação espiritual, o Regime reivindica, da mesma forma que a Ordem do Templo, a dupla qualidade cavalheiresca e religiosa. Esta dupla qualidade, que aparece já ao longo dos graus maçônicos e se confere plenamente pelo armamento, não é de se empregar somente no mundo dos séculos XII ou XVII, senão que é atemporal e os meios para se levar a cabo, cuja natureza é essencial, permanecem imutáveis, visto que consistem no colocar em prática cotidiana e universal as virtudes teológicas da fé, da esperança e da caridade.
 
 
 
Desde a sua constituição, o Regime tomou segundo as adaptações decididas no Convento de Wilhelmsbad (1782), a divisão administrativa que a Ordem da Estrita Observância Templaria reconstituiu e que era da antiga Ordem do Templo. Segundo esta divisão, o território francês estava repartido em três Províncias: a II Província - Auvernia, com a cidade de Lyon como sua sede; a IIIª Província - Occitania, com sede em Bordeaux; e a V Província - Borgonha, com sede em Estrasburgo. 
 
 
Atualmente, temos mútuo reconhecimento com todos os Grandes Priorados Regulares do mundo e são:
 

 

   1778                             Grande Priorado Retificado de Helvécia                                
 
   1934                             Grande  Priorado dos Estados Unidos de América
 
   1937                             Grande Priorado da Inglaterra e Gales                                 
 
   1986                             Grande Priorado da Bélgica                                                          
 
   1995                             Grande Priorado da Lusitânia                                                       
 
   1999                             Grande Priorado de Togo                                                               
 
   2002                             Grande Priorado (Retificado) da França                                         
 
   2008                             Grande Priorado do Brasil                                                        
 
   2008                             Grande Priorado da Espanha            
 
   2010                             Grande Priorado da Itália